sexta-feira, 24 de agosto de 2018

RUA COMENDADOR ARAÚJO EM CURITIBA: PASSADO E PRESENTE por Francisco Souto Neto.


Rua Comendador Araújo em Curitiba

Comendador Francisco Souto Neto

RUA COMENDADOR ARAÚJO EM CURITIBA:
PASSADO E PRESENTE

Francisco Souto Neto

Quem teria sido aquele tal comendador Araújo que deu nome a uma das mais importantes ruas da capital paranaense? Ele foi um notável ervateiro nascido em 6 de novembro de 1818, chamado Antônio Alves de Araújo, mais conhecido como comendador Araújo, e exerceu o cargo de vice-presidente da Província (hoje Estado) do Paraná. Em duas oportunidades assumiu a presidência interina da Província (atual cargo de governador), de 26 de maio a 3 de setembro de 1883 e de 24 de agosto a 18 de setembro de 1885. Araújo morreu em 22 de abril de 1887, na cidade de Palmeira, a 70 km de Curitiba.


Antônio Alves de Araújo (1818-1888), o comendador Araújo.

A Rua Comendador Araújo, uma das mais antigas e tradicionais vias públicas de Curitiba, tem apenas seis quarteirões e um quilômetro e meio de extensão. Ela começa na Praça Osório, em oposição à Rua XV de Novembro (antiga Rua das Flores) e no século XIX chamava-se “Estrada de Mato Grosso”. Ali, na Praça Osório, em 16 de abril de 1871, iniciou-se a estrada para Campo Largo, seguindo o caminho formado atualmente pela Avenida Batel e, mais adiante, pela Rua Eduardo Sprada, rumo ao Segundo Planalto. Atravessando os atuais Estados do Paraná e de São Paulo, chegava ao antigo Mato Grosso, atual Mato Grosso do Sul, e deveria atravessar o continente, por isso foi também chamada de “Estrada do Oceano Pacífico”.

Com a passagem das décadas a Rua Comendador Araújo foi se transformando em via urbana e recebendo edificações. Os abastados donos de engenhos foram construindo ali as suas residências.

No local onde a Comendador Araújo “desemboca” na Av. do Batel, encontravam-se  vários moinhos de erva-mate, produto que, na passagem do século XIX para o XX, alavancou a economia paranaense. Tal posição geográfica propiciou a implantação de uma moderna infraestrutura e a rua, já consolidada no núcleo urbano em 1894, recebeu pavimentação, iluminação pública, linha de bondes e passou a abrigar luxuosas casas comerciais e elegantes palacetes de tendência eclética, que se tornaram testemunhos do enorme desenvolvimento econômico da época.. Há um século, entre as décadas de 10 e 20, a Comendador Araújo já era considerada um endereço requintado.

 
Rua Comendador Araújo no começo do século XX.

 
Um bonde passando pela Rua Comendador Araújo.

 
Esquina da Comendador Araújo com a Coronel Dulcídio. À direita, a casa de Vicente Machado.

 
Esquina da Comendador Araújo com a Brigadeiro Franco. À direita, o Museu David Carneiro.

Hoje, além dos comércios, a rua é ocupada por hotéis, alguns de luxo; bares; incontáveis restaurantes e galerias, e a tradicional Sociedade Thalia. Abriga o Omar Shopping, que é bem mais uma galeria, e o requintado Shopping Crystal, que conta com alguns cinemas (Salas Itaú), considerados pelos cinéfilos como “cines de arte” por exibirem não apenas filmes norte-americanos, mas também europeus e ainda aqueles que não costumam passar nos "circuitos comerciais”. Na esquina com a Rua Visconde do Rio Branco que no começo do século XX era a estação de bondes, e lá pelas décadas de 50 e 60 foi a loja de carros Slaviero, localiza-se agora o Edifício Universe Life Square, que em 2018 é o prédio mais alto de Curitiba e do Paraná, com 43 andares de 153 metros. A uns 200 metros dali, na mesma rua, está o segundo prédio mais alto da capital, o Evolution Corporate (Hotel Pestana), com 40 andares e 137 metros de altura, construído onde existiu o Museu David Carneiro. Apesar das enormes novas construções, a Comendador Araújo ainda guarda muito do seu charme histórico.

Entrando pela Praça Osório no primeiro quarteirão da Rua Comendador Araújo – que é só para pedestres –, ao olhar para trás, mais exatamente para a esquina da praça apontada para o Sul, há um belíssimo palacete amarelo que foi mandado erguer por Affonso Alves de Camargo, presidente do Paraná de 1916 a 1920 e de 1928 a 1930. Depois, aí residiu Flora Munhoz da Rocha, que se casou com Bento Munhoz da Rocha, governador do Paraná de 1951 a 1955. Agora funciona ali o restaurante Nelbe.

 
O primeiro e curto quarteirão da Rua Comendador Araújo termina aqui, onde é cortado pela Rua Visconde de Nácar. No segundo quarteirão torna-se uma via normal para veículos. À direita, as duas torres residenciais do Edifício Gemini, construído em 1970, belíssimo projeto do arquiteto Elgson Ribeiro Gomes (1923 – 2014), um dos mais importantes responsáveis pela verticalização de Curitiba em meados do século passado. Devido ao “rendado” do setor que abriga as garagens dos moradores, recebeu o apelido de “Edifício Mulher Rendeira”. Na mesma rua há mais dois prédios igualmente emblemáticos projetados pelo mesmo arquiteto.

 
À direita, as garagens do Edifício Gemini (“Mulher Rendeira”).

 
As duas torres residenciais do Edifício Gemini (“Mulher Rendeira”).

 
A belíssima “renda” do Edifício Gemini.

A Rua Comendador Araújo foi a primeira de Curitiba que eliminou os postes que continham fiação aérea, isto é, fios elétricos e telefônicos suspensos, e de televisão por assinatura, substituindo-os por antigas e belas luminárias. Acima, a atividade registrada no dia 6 de setembro de 2014. (Foto da internet)

As redes de energia elétrica e fibra ótica foram transferidas para dutos subterrâneos. (Foto da internet)

 
No segundo quarteirão, o Executive Center Everest, de 1975, com sua galeria dupla que se conecta, nos fundos, com a Rua 24 horas.

 
O Everest, exemplo típico da arquitetura estilo brutalista.

 
Na esquina com a Visconde do Rio Branco está a Casa Glaser, de 1914, um dos estabelecimentos mais antigos da capital. Antigamente era parte do comércio de secos e molhados, depois loja de ferragens, e nas últimas décadas de cristais. Em frente ao imóvel, do outro lado da rua, está o Universe Life Square, um prédio novo, o mais alto da cidade.

O Universe Life Square, que em 2018 é o prédio mais alto de Curitiba e do Paraná, com 43 andares de 153 metros. Nesse lugar, nas primeiras décadas do século XX existia a estação de bondes, onde estes eram recolhidos à noite. Em meados do século, anos 60, nessa esquina existiu a loja de automóveis da Ford, a famosa Slaviero. O Sr. Ercílio Slaviero, principal acionista, residiu dois quarteirões acima, na mesma Rua Comendador Araújo, no Edifício Canadá, projeto do já citado engenheiro Elgson Ribeiro Gomes.

Mais uma vista do Universe Life Square, o maior prédio de Curitiba e do Paraná, um pouco mais de longe.

Ainda na mesma esquina com a Visconde do Rio Branco, contrapondo-se ao Edifício Universe Life Square, ergue-se o majestoso Edifício Paraná, um quadrilátero azulado de linhas retas e harmoniosas, este também projetado por Elgson Ribeiro Gomes.

Aspectos da Comendador Araújo com seus ipês-roxos.

Aspectos da Comendador Araújo com seus ipês-roxos.

Aspectos da Comendador Araújo com seus ipês-roxos.

No número 268 da Comendador Araújo está o Omar Shopping, uma galeria de dois pisos que atravessa o quarteirão até à Av.Vicente Machado. Ele foi o casarão de Manuel Miró, e depois a primeira sede da UFPR.

Ao lado, está a sede da Sociedade Thalia, com suas características ecléticas e vitrais na fachada. Ela teve sua origem ligada à colonização alemã. A presença das comunidades estrangeiras era muito forte no Sul do país, e muitas instituições sociais e esportivas tinham suas denominações nas línguas originais dos imigrantes. Esta foi fundada em 1882 sob o nome de “Weringe Thalia”, que teve as atas das reuniões de diretoria e conselhos escritas em alemão até 1918, quando, por força de Lei, passaram a ser escritas em português durante a Primeira Guerra Mundial.

Do outro lado da rua, a Escola de Música e a Igreja Presbiteriana, cuja construção começou em 1894.

No número 560 existe o Edifício Canadá, o primeiro dos três prédios, nesta mesma rua, projetados pelo arquiteto Elgson Ribeiro Gomes, que tem a fachada com vidraças do teto ao chão, com 18 andares. Um dos mais icônicos e, na época (1962), considerado um dos mais elegantes edifícios da cidade, foi o primeiro em Curitiba com um apartamento por andar e também o primeiro a adotar esquadrias de alumínio. O salão principal dos apartamentos, rente ao paredão de vidro da fachada com mais de 12 metros de extensão, tem o piso em mármore  branco. O deputado João Vargas de Oliveira e o empresário Ercílio Slaviero (ambos amigos de Arary Souto, meu pai) foram alguns dos seus primeiros moradores.

Foto encontrada na internet que mostra uma empresa, a "WM Tratar Pisos", efetuando o restauro e polimento do piso de mármore na sala de visitas de um dos apartamentos do Edifício Canadá. Pode-se notar o "antes e depois" do restauro que restituiu o efeito de um espelho no piso, devolvendo beleza aos imensos janelões que compõem a fachada do prédio.
O casarão acima foi construído em 1880 em estilo clássico pelo engenheiro Monteiro de Carvalho, a pedido de um imigrante alemão. A mansão já abrigou famílias tradicionais, depois entrou em decadência até ganhar vida mais uma vez, quando comprada pelo Hotel Íbis. O hotel de uns 10 andares foi construído no miolo do quarteirão, porque o casarão é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico e agora serve como restaurante do hotel.

Maravilhosa calçada em frente ao Hotel Ibis.

Aspectos da Rua Comendador Araújo. Um casal fotografa-se no tapete de flores que cobre o chão.

Aspectos da Rua Comendador Araújo com Rubens Faria Gonçalves.

Aspectos da Rua Comendador Araújo com Francisco Souto Neto.

Aspectos da Rua Comendador Araújo com seu maravilhoso tapete de flores caídas.

Mansão em estilo português (mas que me lembra o florentino) é hoje uma loja de tapetes importados.


A mesma mansão vista em detalhe na foto anterior.

Vista do alto, uma das mais emblemáticas mansões da Comendador Araújo, na esquina com Alameda Presidente Taunay, é o Palacete Ascânio Miró, de 1898, projeto de Cândido de Abreu. 
 
O Palacete Ascânio Miró, infelizmente, está à venda, vulnerável a invasões, mas certamente imune à demolição por tratar-se de imóvel tombado.


A placa de "vende-se" é um triste detalhe no Palacete Ascânio Miró.
   
Sinais de deterioração na delicada cúpula do Palacete Ascânio Miró.

Na Comendador Araújo em frente ao início da Alameda Presidente Taunay, encontra-se o Shopping Center Crystal.

Ao lado da porta de entrada para o Shopping Center Crystal, um bebedouro para cães grandes e pequenos, cujo ingresso no shopping é permitido, tal como costuma ocorrer nas melhores capitais do mundo.

Neste casarão funcionou a Galeria Cocaco, a primeira galeria de arte de Curitiba.


Casa Mueller (1917), que pertenceu à Família Gomm Mueller, exemplo de arquitetura alemã, é um dos belos palacetes da Comendador Araújo, onde agora funciona o Instituto DECLATRA - Defesa da Classe Trabalhadora (Advogados).

A beleza da Comendador Araújo na placidez de um domingo.


Rua Comendador Araújo, um oásis de beleza e história no centro da capital. Os três primeiros quarteirões da rua estão no centro, e os três últimos no bairro do Batel.

Vista do alto, linda mansão onde hoje funciona um restaurante.

Na esquina da Comendador Araújo com a Coronel Dulcídio existe esta mansão, que alguns dizem ser do século 18, onde atualmente funciona a Casa W, um sofisticado salão de beleza.

A mesma mansão da fotografia anterior, vista de frente. Amplie a foto e veja o delicado rendilhado da cerca e das sacadas de ferro.

Os contrastes arquiteturais da Comendador Araújo: o esverdeado prédio moderno à esquerda, e o clássico Edifício Canadá ao centro.

-o-